Notícias

Publicado em 16/04/2019

Já pensou em um mundo sem medidas?


Já pensou em um mundo sem medidas?

Metrologia e suas variações são assuntos presentes no dia a dia da profissão farmacêutica, seja qual for a área de atuação

Você já pensou como seria o mundo se não existissem as unidades de medidas padronizadas? O que parece um questionamento sem fundamento torna-se surpreendentemente relevante ao avaliarmos as ações do nosso dia a dia. Tudo tem um tamanho definido, um peso estipulado e, muitas vezes, seguem padrões rigorosos das agências reguladoras. Na área da Farmácia, são inúmeros campos que utilizam de medidas para o desenvolvimento de suas matrizes.

Medir, portanto, é uma atividade mais corriqueira do que parece. Ao olhar no relógio, por exemplo, você está vendo no mostrador o resultado de uma medição de tempo. Ao entrar em um táxi, comprar um quilograma de carne no açougue ou abastecer o carro no posto de gasolina, você presencia medições. Portanto, a necessidade humana de medir e quantificar desenvolveu inúmeros procedimentos de medição e unidades por todo o mundo. Fato é que a diversidade em sistemas de medidas dificultou ainda mais a exportação e comércio. Surge, a partir da conveniência, a inevitabilidade de padronizar os resultados metrológicos e o estudo das medidas. Seja bem-vindo à metrologia.

Na área farmacêutica, a metrologia está presente em todo o escopo da profissão, por exemplo, em distribuidoras de medicamentos, no transporte de produtos correlatos, no preparo de insumos manipulados, em grandes indústrias e até mesmo nas farmácias comunitárias, ao oferecer serviços farmacêuticos, como aferição de pressão arterial e verificação de glicemia capilar.

O CRF-PR, por meio da sua Comissão Assessora de Distribuição e Transporte, preparou uma série de vídeos-aula sobre “Metrologia na Área Farmacêutica”. Dr. Neville Fusco, Engenheiro e Diretor Executivo da ACC PR Engenharia de Medição, elaborou um material de grande importância para o dia a dia do profissional. Na página ao lado você confere, resumidamente, alguns assuntos abordados nos vídeos, que podem ser acessados através do nosso canal do YouTube.

Calibração

Um instrumento necessita de calibração porque, como tudo em nossa vida, sofre desgaste ao longo do tempo e sua vida útil. Esse desgaste afeta a qualidade dos resultados de medição obtidos. Mas como confiar no resultado? É preciso calibrar o instrumento, ou seja, realizar uma comparação técnica entre a indicação ou valor nominal de um instrumento e o valor de referência de um padrão, sob condições especificadas. Portanto, não pode ser de qualquer modo, mas sim, em um local específico com todas as condições climáticas necessárias.

IMPORTANTE: a calibração não altera ou corrige qualquer erro do instrumento e após a calibração, todos os resultados devem ser avaliados através do Certificado ou Resultado de Calibração. Se houver algum dado não aceitável, haverá impacto na qualidade do seu produto e o processo pode gerar riscos ao consumidor final.

Medição e qualidade

A informação da medição, geralmente, é usada para tomada de decisões e avaliações da qualidade de produtos e processos. Por exemplo, toda a vez que um lote de medicamento é produzido, ele passa por um controle de qualidade. Se algo estiver errado durante este processo, a qualidade do produto estará afetada. O risco gera um impacto direto ao cliente!

Verificação

A verificação de um instrumento de medição é uma calibração simplificada, ou seja, uma evidencia que os resultados da última calibração ainda são válidos. A verificação deve ser realizada em um intervalo menor que a calibração, de acordo com métodos e critérios definidos.

Erros e incertezas de medição

As imperfeições no instrumento de medição, as limitações do operador e as influências das condições ambientais são exemplos de fatores que induzem o erro de medição. Errar é inevitável, porém, os erros vem estar em valores aceitáveis. Já a incerteza de medição significa dúvida acerca da validade do resultado de uma medição. A incerteza do resultado reflete na falta de conhecimento exato do valor mensurado. Entretanto, a incerteza de medição é um indicador da qualidade da medida. Quanto menor o valor da incerteza, melhor a qualidade da medição. 

 

  

Leia mais na 126ª edição da "O Farmacêutico em Revista". Acesse!​​ 

 


Fonte: Assessoria de Comunicação / CRF-PR