Notícia: Farmácia Municipal de Paiçandu-PR é interditada

Publicado em 18/06/2012

Farmácia Municipal de Paiçandu-PR é interditada


Foram encontrados medicamentos com data de validade vencida e de procedência ignorada.
Farmácia Municipal de Paiçandu-PR é interditada

Uma ação conjunta da 14ª Promotora de Justiça de Maringá, Vigilância Sanitária e o CRF-PR interditou a Farmácia Municipal de Paiçandu, após serem encontrados medicamentos com data de validade vencida e de procedência ignorada. A vistoria foi realizada nos dias 13 e 14 de Junho.

Segundo a promotora de Justiça Stella Maris Sant´Anna Ferreira Pinheiro, além da interdição da Farmácia municipal, foram fiscalizados o Posto de saúde Central e também o Hospital Municipal São José.

 

A promotora relata que, durante o trabalho de vistoria, foi constatada a presença de medicamentos vencidos, mas que estavam sendo dispensados e outros fármacos de procedência ignorada, provavelmente oriundo de doações de distribuidoras de medicamentos, ausência de insumos da atenção básica, produtos médico-hospitalares também vencidos, falta de funcionários, muita sujeira e até ninhos de baratas.

 

No mês de junho de 2011, a promotora ajuizou ação civil pública contra o Estado do Paraná, distribuída para a 6ª Vara Cível, com o objetivo de compelir o gestor estadual a "interferir na gestão dos sistemas de saúde em Paiçandu, executando supletivamente ações e serviços". No entanto, segundo a Promotora, a situação só tem piorado. O MP ainda aguarda decisão da Justiça.

 

A Promotoria informa que, em reunião realizada nesta tarde, junto à 15ª Regional de Saúde, ficou estabelecido que para dar continuidade ao atendimento à população, as medicações especiais serão dispensadas na Farmácia da Regional de saúde e, as medicações de uso controlado, hipertensos e diabéticos, passarão a ser dispensadas no Hospital Municipal São José, provisoriamente, até a efetiva adequação das instalações da Farmácia Central.

 

Clique aqui e veja a reportagem exibida pela RPC-TV no dia 14 de Junho

 

Fonte: Ministério Público do Paraná